Ain't no sunshine when (s)he's gone (…)


Hoje apercebi-me de que já nem dói tanto… Mas eu mentiria se vos dissesse que já me é quase que indolor. Pois, na verdade, as saudades nem sequer se apaziguaram… Nada disso: ainda aqui estão, no meu âmago plantadas e com as raízes bem assentes. Apenas aprendi a sustê-las; a lidar com a sua constante presença em mim. Nem sei se tal conformidade é boa ou não…

Mas tento não pensar muito nisso.

Só sei é que já não dói tanto, como outrora. Lembro-me bem que, antes, sempre que passavas - por mais fugazmente que fosse - era como se um enorme pedaço de mim me fosse arrancado. E depois doía: uma dor lancinante à volta do peito. E esses pedaços que eu ia perdendo não voltavam… Basicamente, estava encurralada numa jornada de espera - até que eu ficasse reduzida a um nada que nada sente; que nada expressa. Agora é mais uma comichão desconfortável no estômago; um nó na garganta - nada que não se suporte.

E eu gostava mesmo que fosse doutra maneira… Mas já lá vai o tempo em que a realidade era aquilo que devia ser; que fazia sentido. Agora, apenas é como é, e pronto. Não a entendemos e não há ninguém que no-la explique. Contudo, não há outro remédio se não seguir com ela, mesmo que absolutamente nada bata certo.


2 mixed words:

  1. mais uma lição... o tempo cura tudo, apenas não dês demasiada importância ao passado.

    ResponderEliminar

 

partnership

~

LADY WRITER

Eu tenho um sonho. Um sonho que realizo todos os dias: escrever. Agora, também tenho um objectivo: ser escritora. Quiçá, um dia terei o meu nome em capas duras, espalhadas por prateleiras. Até à obra nascer, hei-de sonhar. CONTACTO: imdanierose@gmail.com