Corações deixados em pedaços.


É aquela sensação de não pertencer (mais) a lado nenhum, ou ao lado de quem quer que seja. Os dias, que outrora tanto gostávamos de ver chegar, tornam-se demasiado longos e demasiado cinzentos para se suportar. O Sol brilha, mas chove cá dentro, neste sítio, outrora tão morno e preenchido, que subitamente ficou deixado no vazio.

É aquela sensação de não saber o que fazer. Em que pensar. O que dizer. Porque, na verdade, não há nada que nos apeteça. E todos os pensamentos levam ao mesmo beco sem saída. E nada do que possamos dizer vai poder mudar o fim daquele Mundo que tanto amávamos... e com certeza não trará de volta a pessoa que nos significava tudo, outrora. 

E tu choras. Choras, porque parece ser a única maneira de conseguires apaziguar esse aperto agudo que te azucrina no peito; que te corta a respiração. E soluças. Soluças, porque é demais para ti. Não tens quaisquer forças. E só consegues fechar os olhos e desejar acordar desse pesadelo que, agora, é a tua realidade. Essa, de que tanto queres, e ao mesmo tempo, sentes não poder fugir. 

Perdeste-o(a). Aquele(a), que outrora tanto te fez (sor)rir. Que te fazia cócegas até te deixar sem fôlego. Que via filmes abraçado(a) a ti e com os braços à tua volta. Que te preenchia os dias de cor e as noites de luz. Agora? É tudo tão escuro e tão a preto e branco, que já quase começas a pensar que todos esses momentos felizes que tanto recordas com Saudade não passaram de uma mera ilusão. De uma miragem. 

Abraças o teu próprio corpo, porque sabes que mais ninguém o poderá fazer. Mas não te sentes melhor. Porque tu sabes que essa pessoa não te voltará a abraçar de novo. Tu sabes que ela não vai voltar. E isso magoa. Tortura. Quase que mata, não é? 

Eu sei. Todos sabemos como é. 
É um coração partido.

0 mixed words:

Enviar um comentário

 

partnership

~

LADY WRITER

Eu tenho um sonho. Um sonho que realizo todos os dias: escrever. Agora, também tenho um objectivo: ser escritora. Quiçá, um dia terei o meu nome em capas duras, espalhadas por prateleiras. Até à obra nascer, hei-de sonhar. CONTACTO: imdanierose@gmail.com