PASSEI POR TI, E NÃO TE VI


A parte pior de perder alguém que já nos significou imenso é, a meu ver, o depois do fim. É aquele momento fatídico em que passamos por essa pessoa na rua, ao acaso, e somos assoberbados por todas as memórias que partilhámos com ela. E, aí, temos de virar a cara e agir como se nem a conhecêssemos de todo. Quando, na verdade, somos quem a melhor conhece.

É tão estranho ter de encarar alguém como se nem passasse de um desconhecido qualquer. Desconhecido, esse, que quase sabemos de cor. Os seus medos, os seus sonhos e as suas histórias - muitas dessas que partilhámos do seu lado. O problema é que, quando tudo acaba, as recordações permanecem e atingem-nos como agulhas. Aquele alguém que ali se encontra, e que nos ignora, e que nós ignoramos de volta, já nos foi tanto - senão tudo. E agora?

Agora, não passas de um estranho. Um estranho que, outrora, adormecia no meu colo. Um estranho que, um dia, era o primeiro a saber tudo de mim. Era quem lá estava sempre e em primeiro lugar. Agora? Agora passo por ti e nem te vejo, de tão distantes que estamos. Se dói? Mais do que nunca. De todas as vezes, muita é a minha vontade de ir ao teu encontro e abraçar-te apenas. Arrumar as mágoas nos bolsos e segurar-te, para que tudo voltasse ao que era.


Mas as coisas não funcionam assim - talvez. Quem me conhece sabe que nunca deixo o orgulho apoderar-se de mim. Mas, neste caso, nem se trata disso, mas sim da minha dignidade. Essa, que tanto se rebaixou por ti. Essa, que deixaste de respeitar e de ter em conta. E eu não mereço isso de quem adoro. Porque quem me merece na sua vida, sabe como me deve tratar. E tu esqueceste-te de como o fazer.

A parte pior de ter-te perdido por completo desta vida, é ter de passar por ti nos locais que tão bem conhecemos juntos e fingir que não te vejo. Mas eu vejo-te sempre. Eu olho de soslaio para que não repares. E assim que vou a um sítio que costumava ser tão nosso, saboreio-te como sangue na minha boca. Pergunto-me, hoje, se também tu sentes o mesmo.

A verdade é que eu acredito veemente que nem te importas. E que, para ti, também já só sou uma estranha qualquer. É isso que te demonstro, também. É isso que transpareces. Que triste, não é? Nem um nem o outro alguma vez saberá a verdade. Porque nós limitamo-nos a ficar cada um no seu canto, a ignorarmo-nos mutuamente. E é tão difícil e tão horrível, porque eu conheço-te. Porque eu preocupo-me, ainda, muito contigo.


E tenho de calar-me e seguir sempre. Pergunto-me se também tu me olhas de soslaio para que eu não note. Talvez seja melhor nem saber, afinal de contas.

Não passamos de estranhos com memórias e com uma história longínqua. Portanto, talvez seja suposto não passarmos disso mesmo. Afinal, quem se merece, arranja sempre forma de ficar.

Eu e tu deixámo-nos de nos merecer um ao outro. E essa verdade não merece castigo, por já ser um castigo por si só.

3 mixed words:

  1. Esse fim deu-me um arrepio que nem imaginas... Adoro o que escreves. Ou, diria antes, a forma como escreves e o sentimento que transpões em tudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Significa muito vindo de um escritor que também admiro de volta, Nuno. Muita força para ti.

      Beijinhos,
      Daniela Rosa

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

 

partnership

~

LADY WRITER

Eu tenho um sonho. Um sonho que realizo todos os dias: escrever. Agora, também tenho um objectivo: ser escritora. Quiçá, um dia terei o meu nome em capas duras, espalhadas por prateleiras. Até à obra nascer, hei-de sonhar. CONTACTO: imdanierose@gmail.com