A ironia do Amor não Correspondido.


E lá se iam passando os dias… comigo, sempre do teu lado, feita pedra, quando, na verdade, era mais um castelo em ruínas perto de desmoronar. (…) 

E eu continuo a achar o Amor Não Correspondido uma das coisas mais irónicas que encontramos nessa vida. Envolve sempre duas pessoas que, façam o que fizerem, acabam por sair (ambas) magoadas, de formas diferentes, por algo que, no fundo, nenhuma delas tem alguma culpa; e nenhuma delas pode sequer controlar o que quer que seja

Amar-te, assim, como eu te amo, é quase que uma espécie de tortura. Primeiro, porque o bater do meu coração, que insistentemente bate por ti, é inteiramente contra a minha vontade. Segundo, porque, a juntar a isso, ainda tenho de lidar com a mais dura realidade de que… tu nunca me olharás como eu te vejo. E isso magoa-me. Tu magoas-me. Ao dar por mim, estou repleta de mágoas até aos ouvidos, que quase me sufocam; que quase me aproximam de morrer.

E depois, lá estás tu. A ter de saber tudo isto e sem poder fazer nada para o alterar. Porque, da mesma maneira que eu não sou capaz de fechar-te fora do meu peito, tu também não consegues simplesmente enfiar-me no teu coração. O amor não funciona assim… É tão incontrolável como o sabor do Vento. E acho que está na altura de eu simplesmente aceitar isso e seguir caminho.

Comigo, levo um coração cicatrizado e ainda com feridas meias abertas, a rodeá-lo como veneno. Um coração que, apesar de tudo, sempre esteve disposto a esperar, a lutar… mesmo que o matasse. Um coração que, ainda hoje, quiçá, acredita que poderia ter feito mais. Mas a música acabou, e eu varri-me de forças para continuar a cantar sozinha… ainda por cima uma melodia que tu simplesmente não consegues ouvir. E nunca conseguirás. Este amor é assim. 

E aí está a ironia do Amor Não Correspondido… 
Está condenado, ainda antes de sequer começar.

1 mixed words:

 

partnership

~

LADY WRITER

Eu tenho um sonho. Um sonho que realizo todos os dias: escrever. Agora, também tenho um objectivo: ser escritora. Quiçá, um dia terei o meu nome em capas duras, espalhadas por prateleiras. Até à obra nascer, hei-de sonhar. CONTACTO: imdanierose@gmail.com